A tecnologia híbrida ainda não está à altura das expectativas dos colaboradores e produz frustrações derivadas do trabalho flexível;

A tecnologia híbrida ainda não está à altura das expectativas dos colaboradores e produz frustrações derivadas do trabalho flexível
Um novo estudo da Ricoh Europa revela que a maioria das organizações não possui as tecnologias híbridas adequadas para apoiar o trabalho flexível, com apenas 30% dos colaboradores europeus a afirmarem que dispõem dos meios necessários para colaborar sem problemas com outros colegas.
 

Realizado pela Opinion Matters em nome da Ricoh Europa, o estudo inquiriu 7000 trabalhadores e 1800 decisores e conclui que o trabalho flexível continua a ser uma das principais prioridades dos trabalhadores europeus. Neste contexto, os colaboradores apontam a existência de disposições de trabalho mais flexíveis, incluindo a capacidade de planear e garantir que as suas necessidades no local de trabalho são satisfeitas antes do dia de trabalho (secretária, localização, tecnologia), como a principal razão para reconsiderarem um possível abandono das suas funções nos próximos 12 meses.
 
Apesar da importância que os funcionários atribuem ao trabalho flexível, o inquérito revela que muitos admitem que ainda não dispõem das ferramentas mais básicas. Um em cada cinco (20%) colaboradores admite que não tem acesso a software de colaboração essencial, como Microsoft Teams ou Zoom, enquanto 29% não tem acesso a nenhum tipo de hardware ou tecnologia híbrida (por exemplo, sistemas de videoconferência), apesar da crescente necessidade.
 
O estudo mostra igualmente que os líderes empresariais reconhecem o problema, com cerca de um quarto (24%) a admitir que as suas ferramentas de colaboração não estão ao mesmo nível do setor onde operam, o que dificulta o trabalho quotidiano dos colaboradores. Ainda assim, apenas 17% admite considerar como prioridade estratégica para o próximo ano proporcionar aos seus colaboradores uma experiência melhorada.
 
Perante este cenário, a pesquisa conclui que os líderes empresariais devem colocar a satisfação e a experiência dos colaboradores no topo das suas prioridades. Tal deverá começar com o trabalho flexível, uma vez que quase um quarto (24%) dos trabalhadores afirmou que o facto de não serem obrigados a trabalhar no escritório, mas de lhes ser dada a tecnologia certa para trabalharem onde quer que seja, seria uma solução fundamental para aumentar a sua satisfação no trabalho.
 
Ramon Martin, CEO de Ricoh Espanha e Portugal, afirma que "as organizações tiveram vários anos para se adaptarem a práticas de trabalho flexíveis, pelo que é surpreendente que muitas ainda estejam a ficar para trás na disponibilização das tecnologias mais básicas que facilitam a colaboração e a comunicação. Dadas as vantagens significativas que o trabalho flexível oferece, as empresas devem dar prioridade às ferramentas e tecnologias necessárias para tirar o melhor partido da sua força de trabalho e reter os melhores talentos. No entanto, adotar estas mudanças não significa apenas manter-se competitivo, mas também valorizar e investir na felicidade e realização das pessoas que impulsionam o sucesso da organização".
 
 
 
| Sobre o estudo |
 
Metodologia do questionário aos colaboradores:
 
O estudo foi realizado pela Opinion Matters junto de uma amostra de 7000 inquiridos que são trabalhadores de escritório em empresas com 1 a mais de +1000 empregados em França, Reino Unido, Irlanda, Alemanha, Países Baixos, Espanha e Itália.
 
Os dados foram recolhidos entre 09/02/2024 e 21/02/2024. A Opinion Matters adere e emprega membros da Market Research Society (MRS) e segue o código de conduta da MRS e os princípios da ESOMAR. A Opinion Matters é também membro do British Polling Council.
 

 
Metodologia do questionário aos decisores:
 
O estudo foi realizado pela Opinion Matters junto de uma amostra de 1800 inquiridos que ocupam cargos de gestão ou de direção e são responsáveis pelas decisões de compra nos departamentos de IT, gestão de instalações, RH e financeiro em empresas com 1 a 1000+ empregados, excluindo os trabalhadores independentes (com mais de 18 anos), no Reino Unido, Irlanda, França, Alemanha, Países Baixos, Espanha e Itália.
 
Os dados foram recolhidos entre 09/02/2024 e 23/02/2024. A Opinion Matters adere e emprega membros da Market Research Society (MRS) e segue o código de conduta da MRS e os princípios da ESOMAR. A Opinion Matters é também membro do British Polling Council.
 
 

 
Sobre a Ricoh |
 
A Ricoh é uma empresa tecnológica global que acompanha as empresas à medida que estas se digitalizam para otimizar o seu desempenho empresarial. Um integrador líder de serviços digitais e soluções de impressão e imagem concebidas para impulsionar a transformação digital dos locais e espaços de trabalho.
Com sede em Tóquio, as operações globais da Ricoh chegam a clientes em mais de 190 países e regiões, apoiadas por conhecimentos, tecnologias e capacidades organizacionais adquiridas ao longo dos seus mais de 88 anos de história. No ano financeiro que terminou em março de 2024, o Grupo Ricoh atingiu vendas mundiais de 2.348 mil milhões de ienes (aproximadamente 15,2 mil milhões de dólares). A Ricoh Portugal e Espanha iniciou a sua atividade há mais de três décadas. Atualmente, a empresa, com sede no Porto (Portugal), Sant Cugat del Vallés (Barcelona) e Alcobendas (Madrid), tem 17 filiais, 2200 profissionais, 100 distribuidores, 50 000 clientes e um volume de negócios de 365 milhões de euros.
A missão e visão da Ricoh é capacitar as pessoas para se realizarem através do trabalho, compreendendo e transformando a forma como trabalham para libertarem todo o seu potencial e criatividade e alcançarem um futuro sustentável.
Para mais informações, visite-nos em www.ricoh.pt.

 

Susana Almeida, 19/06/2024
Partilhar
Comentários 0