Projeto de incubação da ANJE ajuda as empresas a darem os primeiros passos;

Projeto de incubação da ANJE ajuda as empresas a darem os primeiros passos
A ANJE – Associação Nacional de Jovens Empresários procura ajudar as empresas recém-criadas a entrarem no mercado de trabalho. Assim, o programa de incubação e aceleração Linc permite que os jovens empreendedores consigam aceder a infraestruturas, apoio logístico e consultoria empresarial a um custo mais reduzido, o que implica que as empresas não necessitem de investir tanto numa fase inicial.
 
Para dar esta resposta, a ANJE possui atualmente 10 núcleos de incubação espalhados pelo país e mais de 140 espaços físicos. As empresas incubadas têm, além do espaço, acesso a acompanhamento técnico e administrativo, assim como consultoria para a elaboração e operacionalização do modelo de negócio. O objetivo é ajudar os empreendedores – que têm de ter entre 18 e 40 anos – a concretizar a sua ideia de negócio.
Faro, Gondomar, Lisboa, Maia, Porto, Évora, Póvoa e Vizela são as cidades que acolhem os centros de incubação e aceleração da ANJE. Além destes, a sede da Associação tem também um espaço dedicado a empresas ligadas à área tecnológica – a incubadora Portugal Global. A Zomato, a Science4you e a Lapa Studio são alguns dos exemplos de negócios incubados nas instalações da ANJE.
Além da redução dos custos associados ao primeiro investimento, a incubação dá aos jovens empresários oportunidades de networking institucional e empresarial, dado que a partilha de instalações entre diferentes empresas pode facilitar a troca de contactos e a formulação de parcerias de negócio.
“A ANJE afirma-se como principal player da incubação e aceleração de empresas em Portugal, gerindo uma rede de centros incubação e aceleração que representa um investimento inicial global de 8 milhões e 880 mil euros. Ao todo são 11 as infraestruturas espalhadas pelo país e perto de 140 os espaços físicos para a instalação de empresas, aos quais se somam inúmeras possibilidades de incubação virtual”, explica Iria Magalhães, responsável pela incubação da Associação. “Em média, uma empresa permanece connosco cerca de três anos e as taxas de sucesso das empresas incubadas rondam os 50 e os 60 por cento”, refere.
Além disso, a ANJE tem protocolos de cooperação gerais com vários municípios na área do empreendedorismo que permitem a criação e gestão de incubadoras. No caso da incubadora de Gondomar, por exemplo, a ANJE desenvolveu em parceria com o Município, uma incubadora setorial dedicada ao setor da ourivesaria. 
O plano de formação da ANJE decorre em alguns dos núcleos onde estão presentes empresas incubadas, pelo que as formações, conferências e workshops são uma ferramenta adicional à disposição dos incubados que queiram aprofundar os seus conhecimentos relativamente a diversas áreas de negócio.
A incubação virtual é outra das propostas de valor. Através deste serviço, a ANJE apoia empresas que envolvem poucos recursos humanos e que, pelas atividades que desenvolvem, não necessitam de investir em infraestruturas. Dependendo da modalidade de serviço escolhida, os empresários podem optar por diversas valências, como a utilização da morada dos centros de incubação para efeitos de sede social da empresa, apoio administrativo e utilização pontual de espaços de trabalho.
Outra característica associada a este serviço de incubação é o “cowork”, disponível nos núcleos de Évora, Gondomar, Porto e Vizela. Aqui, os empresários têm a oportunidade de potenciar os seus negócios através de um sistema de partilha de conhecimentos e da criação de eventuais parcerias de negócio. 
Recorde-se que a abrangência geográfica e o constante crescimento da rede de infra-estruturas afiguram-se igualmente como elementos distintivos dos serviços de incubação empresarial da ANJE. Este processo dinâmico de permanente expansão teve início em 1995, com a inauguração, na Maia e em Faro, das primeiras infra-estruturas destinadas ao acolhimento de jovens empresas. Enquadrados nesta estratégia de alargamento, novos projetos estão presentemente a ser desenvolvidos pela associação, reforçando e descentralizando o apoio logístico fornecido pela ANJE aos jovens empreendedores portugueses. 
Há ligações sem as quais os novos negócios não podem progredir. O meio empresarial, associativo e até local interligam-se em todos os Centros de Incubação ANJE. “Networking”, espaços, serviços e preços à medida dos empreendedores compõem o cenário favorável ao arranque e desenvolvimento de empresas jovens e inovadoras.
Susana Almeida, 09/05/2019
Partilhar
Comentários 0