ISQ aposta no setor aeroespacial ;

Semana Mundial do Espaço decorre de 4 a 10 de outubro
ISQ aposta no setor aeroespacial
De 4 a 10 de outubro comemora-se a Semana Mundial do Espaço, sendo o tema deste ano a “Lua: Portal para as Estrelas”. Celebrar as contribuições da ciência e tecnologia espaciais para a melhoria da condição humana é o que dá o mote a esta iniciativa implementada pelas Nações Unidas. 
 
O ISQ está presente neste mercado há cerca de 15 anos com uma presença permanente no Porto Espacial Europeu, onde já participou em mais de 90 lançamentos, com a participação no desenvolvimento de tecnologia e de veículos espaciais, como o veículo orbital Space Rider-IXV da Agência Espacial Europeia em Kourou; no 1.º microssatélite português – Infante; na sonda para Marte revestida a cortiça e no desenvolvimento de serviços de Observação da Terra sustentados em big data analytics para clientes industriais. 

Projetos do ISQ no setor aeroespacial


IXV - veículo de reentrada atmosférica experimental - Agência Espacial Europeia (ESA)

Este veículo demonstrador reutilizável e não tripulado é um projeto da Agência Espacial Europeia (ESA) e tem capacidade para fazer voos orbitais e de se deslocar em voo planado, entre a reentrada na atmosfera e o local de amaragem. O ISQ esteve muito envolvido no desenvolvimento do IXV, sendo a única entidade portuguesa que acompanhou, em permanência, este projeto desde o seu início. Mais recentemente, a colaboração com a ESA decorreu a partir do centro de ensaios que o Grupo detém em Castelo Branco.

O ISQ presta serviços para a indústria aeroespacial há mais de 10 anos e para além da participação em projetos de desenvolvimento de tecnologia, tem também uma equipa permanente no Centro Espacial Europeu, onde participa nas operações de preparação e lançamento dos 3 sistemas aí existentes: o Ariane 5, o Soyuz e o Vega. 

O centro de ensaios de Castelo Branco representa um importante investimento na área da inovação, e permite a realização de estudos e ensaios sobre diversos componentes em materiais compósitos de aeronaves, tais como asas, lemes, componentes de cabina, etc. Neste centro é possível efetuar todos os ciclos de vida do avião, que podem incluir centenas de combinações diferentes, como os tipos de voo, rajadas de vento, tempestades, aterragens suaves ou bruscas.  


Sonda para Marte


O ISQ concluiu um projeto para a exploração de Marte. Com o nome de código cTPS o resultado já foi validado pela ESA e teve como objetivo o desenvolvimento do sistema de proteção térmica de uma capsula que irá trazer amostras de rególito (calhaus) de Marte para serem analisados na Terra. Uma solução de engenharia portuguesa que pega na cortiça, junta-lhe engenharia e inovação e cria uma capsula de reentrada atmosférica inovadora que promete ser uma referência em novos desenvolvimentos para missões espaciais. Oferecemos à ESA uma solução mais simples, mais leve, 25% abaixo do peso máximo exigido, e com redução de custos de produção. A sonda será lançada depois de 2020. 


INFANTE – satélite português

Demonstra a capacidade nacional de desenhar, construir, integrar, testar e operar um demonstrador de um microssatélite em órbita baixa (500 km de altitude). É um projeto percursor para futuras constelações. O ISQ será o responsável pela garantia de qualidade transversal a todo o projeto; irá desenvolver um serviço de garantia da qualidade para o processo de montagem, integração e teste de microssatélites. Ficará também encarregue da atividade de testes de desenvolvimento de tecnologias de sistemas.



SAGRES

O ISQ está a desenvolver o projeto SAGRES baseado em serviços de deteção remota e em big data analytics que recolhe informação de satélites de observação da terra da Agência Espacial Europeia (ESA), utilizando algoritmos avançados de inteligência artificial. Visa o desenvolvimento de um serviço inovador para dar suporte à decisão de prospeção de jazigos minerais no fundo dos oceanos.


CENTRO ESPACIAL EUROPEU

O ISQ presta serviços de quality assurance / quality control no centro espacial europeu na guiana francesa há mais de 15 anos.


ITER – ENERGIA LIMPA

É o maior investimento científico da atualidade e em que o ISQ participa no âmbito das suas áreas de competência (garantia de qualidade e controlo de fabrico). Resulta do acordo internacional entre USA, Japão, Rússia, Coreia do SUL, China, India e União Europeia. 

O International Thermonuclear Experimental Reactor pretende construir o primeiro reator experimental de fusão nucelar – configuração tokamak – capaz de gerar um retorno de energia positivo, demonstrando a viabilidade científica e técnica da fusão nuclear como fonte de energia limpa.


AIRMES

Dispositivo móvel de Realidade Virtual para apoio à manutenção aeronáutica que pode ser usado no sector aeronáutico. Foi desenvolvido pelo ISQ no âmbito do Projeto Internacional AIRMES – Airline Maintenance Operations implementation.

Permite optimizar a realização das operações de manutenção, reduz o tempo da procura de documentação e diminui a probabilidade de falha humana. Desta forma contribui para o aumento da eficácia das operações, reduzindo custos.

Este projeto integra-se numa presença mais ambiciosa do ISQ no âmbito do maior programa europeu de liderança industrial de investigação e desenvolvimento tecnológico no sector da aeronáutica, o Clean Sky 2. O Clean Sky é uma parceria público-privada entre a Comissão Europeia e o setor aeronáutico europeu para: integrar tecnologias de ponta nas aeronaves; demonstrar configurações inovadoras para as aeronaves e possibilitar mudanças a nível do desempenho ambiental e económico.

Graças às tecnologias já desenvolvidas por este consórcio, as futuras aeronaves consumirão cerca de 20 a 30% menos combustível e emitirão cerca de 20 a 30% menos dióxido de carbono, terão ainda níveis de ruído inferiores (em relação a 2014) numa percentagem semelhante.

 

 

PASSARO

 

O projeto PASSARO (caPAbilities for innovative Structural and functional teSting of AeROstructures), foi selecionado pelo Clean Sky 2 (CS2)* como Core Partner neste programa, sendo o ISQ uma das entidades responsáveis pela coordenação do projeto com a Airbus Defence and Space (ADS) em Espanha. 

Visa contribuir para o desenvolvimento de aeroestruturas multifuncionais e inteligentes bem como para a automatização dos processos produtivos e tecnologias associadas à manutenção, monitorização do estado de condição (SHM) e testes funcionais de sistemas, numa abordagem Indústria 4.0. Esta tecnologia será aplicada a dois demonstradores específicos à escala real – em cockpit e asa – integrados nas atividades previstas na ITD Airframe. Irá contribuir para a plataforma IADP (Innovative Aircraft Development Platform) do Avião Regional do CS2.

O Grupo ISQ tem uma participação muito ativa neste projeto em especial no demonstrador do cockpit, assumindo a liderança de todas as atividades relacionadas com Ensaios e Inspeção e participa ainda no desenvolvimento de ferramentas relacionadas com a eco-eficiência dos processos produtivos.  Intervém, adicionalmente, no apoio ao desenvolvimento de novos materiais compósitos e soluções para aeroestruturas. Em causa está uma maior resistência ao impacto e acústica, a segurança de aeronaves e o seu conforto ergonómico.

O ISQ colabora ainda no desenvolvimento de modelos de compatibilidade electromagnética ao nível dos materiais e do próprio cockpit numa perspetiva futura da certificação virtual

*maior programa europeu de investigação e liderança industrial na aeronáutica


ASA DA EMBRAER


O ISQ foi responsável pela conceção e execução de um conjunto de ensaios num demonstrador da parte estrutural de uma asa (semi-asa) constituída maioritariamente por material compósito. Esta semi-asa foi desenvolvida pela Embraer e destina-se a uma nova geração de aviões comerciais de passageiros. A Embraer fez o ensaio em solo desta semi-asa no laboratório do Grupo ISQ, em Castelo Branco. Para o efeito foram utilizadas técnicas avançadas de inspeção não destrutiva assim como trabalhos preliminares de ensaios mecânicos e de impacto. 

Neste laboratório do ISQ têm sido realizados ensaios para clientes internacionais e nacionais nos ramos automóvel, componentes para satélites, equipamentos elétricos, equipamentos militares e unidades de produção de frio.


Susana Almeida, 04/10/2019
Partilhar
Comentários 0